Para acabar com a sobrepesca na UE, o parlamento deve exercer a sua influência

Para acabar com a sobrepesca na UE, o parlamento deve exercer a sua influência 

Pew.Feature.Listing.NavigateTo

Para acabar com a sobrepesca na UE, o parlamento deve exercer a sua influência
Overfishing in Northwestern Europe

Redes de pesca jazem vazias num porto Europeu. Sem a intervenção do Parlamento Europeu, a sobrepesca na UE pode continuar.

© Corey Arnold

Em 2013, representantes de cada estado-membro da União Europeia e as instituições da UE celebraram justificadamente a reforma da Política Comum das Pescas (PCP). Após décadas de falhas de gestão, a UE tinha finalmente concordado em acabar com a sobrepesca e criado um compromisso, legalmente vinculativo e com um prazo definido, para alcançar esse objetivo. Foi uma ótima notícia, apenas ligeiramente ensombrada pela mensagem dos ministros das pescas dos estados-membros, segundo a qual «necessitavam de alguns anos para proceder gradualmente».

O processo de reforma tinha demorado mais de cinco anos, marcados por negociações difíceis entre os membros do Parlamento Europeu (eurodeputados) e os governos dos estados-membros. Estes compromissos progressivos exigem muita paciência e trabalho de preparação política, e isso é antes que possa sequer ter início o trabalho de implementação.

Limites de captura excessivos mostram que ainda há muito a fazer para acabar com a sobrepesca

A PCP reformada está em vigor há 3 anos e meio e os atrasos na sua implementação sublinham a continuada relutância dos ministros em levar a cabo a tarefa.

Dados recentes do Comité Científico, Técnico e Económico das Pescas (CCTEP) da Comissão Europeia, um corpo de peritos científicos, revelam o fosso entre o atual estado das unidades populacionais de peixe e os compromissos no âmbito da PCP. Relativamente às unidades populacionais acerca das quais estão disponíveis pareceres científicos detalhados para rendimento a longo prazo, 41 por cento foram sujeitas a sobrepesca em 2015. E é evidente, à luz da própria análise da The Pew Charitable Trusts com base em dados dos limites de pesca de 2017, que o progresso no sentido de acabar com a sobrepesca permanece lento: Em termos gerais, concluímos que os ministros das pescas estabeleceram 54 por cento dos limites de pesca acima dos pareceres científicos, o que significa que mais de metade das unidades populacionais de peixe da UE continuarão provavelmente a ser objeto de sobrepesca. Estes dados incluíam também unidades populacionais sujeitas a pareceres científicos menos abrangentes.

Os planos plurianuais proporcionam uma perspetiva de longo prazo

Faltam apenas três anos para a UE atingir o limite de prazo legalmente vinculativo para acabar com a sobrepesca até 2020. Os participantes na reforma da PCP não eram ingénuos relativamente à corrente política subjacente em torno do processo de tomada de decisão anual do Conselho acerca dos limites das pescas. De facto, é por isso que a PCP inclui a exigência de «planos plurianuais» (PPA) que introduzam uma perspetiva de longo prazo em regiões de pesca específicas, para garantir que os objetivos da PCP serão implementados e cumpridos. Os eurodeputados da comissão das pescas vão ponderar a última proposta do PPA para o Mar do Norte na sua reunião de julho. O Conselho definiu claramente a sua posição: Os mesmos ministros das pescas, que têm dificuldade em resistir a estabelecer limites superiores aos pareceres científicos, também favorecem a diluição da proposta do PPA. Os ministros gostariam de definir objetivos mais brandos do que os requeridos na PCP para algumas categorias de unidades populacionais e procuraram maneiras de estabelecer os limites de pesca acima dos tetos impostos pela PCP.

Os eurodeputados têm de exigir mais ação urgente

Isto é uma história bem conhecida, com uma grande extensão de água azul transparente entre aquilo que os eurodeputados esperam alcançar e o que os ministros das pescas se comprometerão a fazer. Após a dura luta para garantir estas importantes reformas, os eurodeputados devem agora responsabilizar os governos dos estados-membros relutantes pela implementação dessa legislação.

Isto implica muito mais do que escrutinar as ações dos governos dos estados-membros. Os eurodeputados têm a responsabilidade de tomar decisões efetivas com o Conselho acerca destes PPA, pelo que têm poder para exigir disposições legais vigorosas. Alguns eurodeputados da comissão já estão a levar este poder a sério, propondo emendas destinadas a contrariar as tentativas do Conselho no sentido de diluir os PPA propostos e até, nalguns casos, tomando medidas no sentido de melhorar a proposta original da Comissão.

Até o Conselho demonstrar que está disposto a tomar medidas para cumprir os prazos cada vez mais próximos da PCP, depositamos a nossa esperança nesses eurodeputados que exigem progressos urgentes e, o que é crucial, que garantem que os PPA não são diluídos, pelo contrário, são reforçados para assegurar o fim da sobrepesca. Esses eurodeputados merecem o mais entusiástico apoio pelos seus esforços no sentido de exigir aos ministros das pescas que cumpram os seus compromissos.

Andrew Clayton orienta os esforços da Pew para acabar com a sobrepesca no noroeste da Europa.

This video is hosted by YouTube. In order to view it, you must consent to the use of “Marketing Cookies” by updating your preferences in the Cookie Settings link below.


Como Acabar com a Sobrepesca na UE
Fact Sheet

10 Razões para acabar com a sobrepesca na Europa

A tomada de medidas beneficiaria o ambiente marinho, bem como os cidadãos e pescadores da UE

Quick View
Fact Sheet

Nas águas europeias, o peixe e as pescas têm desempenhado um papel importante na história, cultura e bem-estar das comunidades locais ao longo dos séculos. No entanto, este recurso renovável tem sido sobreexplorado durante décadas, levando a graves consequências para os ecossistemas marinhos.