O Primeiro Teste para os Limites de Capturas para 2016 em Águas Europeias

Proposta da Comissão da UE para as unidades populacionais do Mar Báltico a ser considerada pelos ministros das pescas

A proposta da Comissão Europeia para os limites de capturas no Mar Báltico para 2016 proporciona um teste importante do compromisso dos líderes europeus para a implementação da Política Comum das Pescas (PCP) reformada.

A Comissão tem a responsabilidade de colocar em prática a PCP e, como parte dessa missão, de propor limites para as pescas nas águas europeias que acabem com a sobrepesca, permitindo a recuperação das unidades populacionais sobre-exploradas. Subsequentemente, os limites são determinados pelo Conselho das Pescas, composto por ministros responsáveis pelas pescas dos 28 estados membros.

A Comissão propõe estes limites anualmente, em primeiro lugar para o Báltico e, posteriormente, para as águas do nordeste Atlântico e mares adjacentes. Por isso, a proposta do Báltico, divulgada em setembro, constitui uma referência para a ambição da Comissão no sentido de cumprir os objetivos da PCP sem atrasos ou atenuantes. Os ministros das pescas vão reunir-se em 22 e 23 de outubro para considerarem as propostas.

Normalmente a proposta para o Báltico inclui 10 limites de capturas, conhecidos como totais admissíveis de capturas (TAC), para diversas unidades populacionais de peixes. A proposta da Comissão baseia-se na sua maioria em aconselhamento científico, o que é uma boa notícia. No entanto, este ano a Comissão propôs apenas nove limites, não havendo qualquer parecer para o bacalhau ocidental. Na ausência de qualquer proposta, os ministros das pescas terão de negociar entre si um limite de capturas para esta unidade populacional.

Oito dos TAC propostos não excedem o parecer científico solicitado pelo Conselho Internacional para a Exploração do Mar (CIEM). Estes incluem TAC para arenque, solha, espadilha e salmão.

Para um dos TAC, o bacalhau oriental, a Comissão propôs um limite de captura que é muito superior ao nível aconselhado pelo CIEM, que recomendou um máximo de 29.220 toneladas. A proposta da Comissão é de 41.143 toneladas. Este número não só é consideravelmente superior ao aconselhado, mas também poderá ultrapassar a quantidade de peixes que os pescadores são capazes de capturar. Por exemplo, em 2014 os pescadores alemães desembarcaram apenas 15 por cento da quota que lhes foi atribuída para o bacalhau oriental. Assim, apesar de a Comissão Europeia ter proposto que a grande maioria dos TAC para o Báltico em 2016 seguisse o parecer científico – em linha com os objetivos da PCP, ainda não está a propor limites que acabem com a sobrepesca em todos os casos.

Os ministros das pescas têm um historial de legislar a sobrepesca. Para inverter esta situação, a Comissão deve desempenhar o seu papel e propor limites de pesca que sejam plenamente consentâneos com a PCP.

A Comissão praticamente atingiu o objetivo a que se propôs ao propor limites para as pescas do Báltico; esperamos uma proposta ainda melhor para o Nordeste Atlântico nas próximas semanas.

Andrew Clayton supervisiona os esforços da Pew para acabar com a sobrepesca no noroeste europeu.

National Homeownership Month

Article

37 Researchers Working to Transform Biomedical Science

Quick View
Article

Biomedical researchers are on the front lines of scientific innovation. From responding to global pandemics to pioneering lifesaving cancer treatments, these researchers push past scientific boundaries to solve pressing health challenges. For nearly 40 years, The Pew Charitable Trusts has supported more than 1,000 early-career biomedical scientists committed to this discovery.