10 razões pelas quais os governos europeus devem agir rapidamente para pôr fim à sobrepesca

O prazo limite, baseado na ciência, para definir os limites de pesca em linha com a Política Comum das Pescas da UE em 2020 já foi ultrapassado

10 razões pelas quais os governos europeus devem agir rapidamente para pôr fim à sobrepesca

Os Ministros europeus das pescas e representantes de outros estados circundantes do Oceano Atlântico irão reunir este outono para acordar as quotas de pesca de stocks no Atlântico e no Mar do Norte para o próximo ano.

Ao abrigo da Política Comum das Pescas da UE, os estados-membros estavam legalmente obrigados a  acabar com a sobrepesca "até 2015, onde possível" e "o mais tardar até 2020". No entanto, várias espécies do Nordeste Atlântico - incluindo vários stocks de bacalhau - ainda estão expostas à sobrepesca.

No entanto, os decisores políticos ainda têm o poder e a responsabilidade de inverter a maré, bastando para tal estabelecer quotas que imponham o fim da sobrepesca, e assim todos poderão recolher os benefícios de uma pesca sustentável.

As 10 razões aqui detalhadas salientam porque é tão importante que os ministros das pescas, tanto na UE como fora dela, se foquem no fim da sobrepesca:

Overfishing in Europe

1. Os stocks de peixe teriam a possibilidade de recuperar.

Um grande número de stocks analisados em ou perto de águas europeias continua fora dos limites biológicos de segurança. O fim da sobrepesca permitiria finalmente que estes stocks recuperassem e prosperassem.

Overfishing in Europe

2. Os pescadores seriam beneficiados.

Stocks de peixe saudáveis contribuem para um ambiente empresarial mais estável e requerem menos tempo e combustível para a pesca. Pescas mais rentáveis, por sua vez, reduzem a necessidade dos contribuintes apoiarem a indústria através de subsídios. Um estudo de 2016 indica que acabar com a sobrepesca apenas no Atlântico Nordeste poderia potencialmente criar uma receita anual adicional de €4,6 mil milhões para a frota pesqueira da UE1 e ajudar à criação de mais empregos no setor.

Overfishing in Europe

3. Ao fazê-lo, estaríamos a ajudar a restaurar o nosso ambiente marinho.

As atividades de pesca podem afetar o ambiente marinho para além da remoção de peixe. Entre os impactos negativos mais comuns estão os danos aos fundos marinhos e corais, a captura acidental de animais como aves marinhas e tartarugas e a poluição. Stocks de peixe saudáveis também requerem uma atividade de pesca menos intensiva, o que limita os danos.

Overfishing in Europe

4. Os Europeus poderiam comer mais peixe capturado localmente e sustentável.

Muitos países europeus dependem substancialmente de importações de pescado para responder à procura.2 Isto também tem repercussões nos países em desenvolvimento onde o peixe é uma importante fonte de proteína animal para uma grande parte da população.

Overfishing in Europe

5. O oceano poderia ser mais resiliente.

O oceano está sujeito a uma diversidade de pressões, desde a mudança das temperaturas da água à poluição e acidificação. Stocks de peixe bem geridos desempenham um papel essencial na manutenção de ecossistemas marinhos saudáveis e representam um investimento no futuro, pois podem ajudar o oceano a resistir a estes tipos de pressões.

Overfishing in Europe

6. A gestão das pescas seria mais fácil.

A gestão de pescarias com uma alta probabilidade de colapso é complicada, arriscada e exigente. Requer informação detalhada e atempada. Por outro lado, pescas saudáveis são menos sensíveis às mudanças, incertezas ou erros nos dados, tornando a gestão mais fácil.

Overfishing in Europe

7. Na UE, é a lei.

Em 2013, os decisores da UE acordaram uma reforma da Política Comum das Pescas que exige um fim à sobrepesca em 2015, onde possível, e até 2020 para todos os stocks de peixe. Ao falhar o fim da sobrepesca de acordo com esta orientação temporal e requisito legal, as instituições europeias atrasaram o processo de recuperação dos stocks de peixes e dos ecossistemas marinhos.

Overfishing in Europe

8. Traria maior transparência.

A definição de limites de pesca que não excedam os pareceres científicos tornaria a gestão das pescas mais racional e previsível. As discussões poderiam centrar-se em maximizar os benefícios socioeconómicos de pescas saudáveis.

Overfishing in Europe

9. Casos de estudo em todo o mundo - e aqui bem perto - demonstram os benefícios.

Outros países, como os Estados Unidos, a Austrália e a Nova Zelândia já concretizaram enormes progressos para acabar com a sobrepesca e começam agora a recolher os benefícios. A UE tem os seus próprios exemplos, como a pescada das águas do Norte da Europa, que provam como é possível acabar com a sobrepesca e demonstram os ganhos potenciais.

Overfishing in Europe

10. Os decisores têm o poder e a responsabilidade de o fazer.

Muitos dos problemas atuais, como as alterações climáticas, são extremamente difíceis de abordar, mas acabar com a sobrepesca depende em grande medida de melhores decisões por parte dos Ministros das Pescas da UE e outras zonas. É necessária vontade política para a implementação das reformas de gestão e para a definição de limites de pesca que não excedam os pareceres científicos.

Um grande número de stocks analisados em águas da UE continua fora dos limites biológicos de segurança.  O fim da sobrepesca permitiria finalmente que estes stocks recuperassem e prosperassem.

Andrew Clayton dirige os esforços da The Pew Charitable Trusts para acabar com a sobrepesca no Noroeste da Europa.

Notas Finais    

  1. J. Guillen et al., “Sustainability Now or Later? Estimating the Benefits of Pathways to Maximum Sustainable Yield for EU Northeast Atlantic Fisheries,” Marine Policy 72 (2016): 40-47, http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0308597X1630149X.
  2. European Commission, “European Market Observatory for Fisheries and Aquaculture Products, the EU Fish Market - 2019 Edition” (2019), https://op.europa.eu/s/n7Yr.
  3. International Council for the Exploration of the Sea, “Hake (Merluccius merluccius) in Subareas 4, 6, and 7, and Divisions 3.A, 8.A–B, and 8.D, Northern Stock (Greater North Sea, Celtic Seas, and the Northern Bay of Biscay)” (in report of the ICES Advisory Committee, 2019),https://doi.org/10.17895/ices.advice.4759.