Ministros das pescas da UE acordam limites de captura para 2016

Para algumas unidades populacionais, os novos níveis ainda permitem a sobrepesca

Ministros das pescas da UE acordam limites de captura para 2016
The European Union

Na manhã de 16 de dezembro, os ministros das pescas da União Europeia chegaram a acordo sobre aos limites de capturas para 2016, mas com alterações à proposta efetuada em novembro de 2015 pela Comissão Europeia. A Comissão tinha proposto vários limites em conformidade com os pareceres científicos do Conselho Internacional para a Exploração do Mar (CIEM).

A boa notícia é que os ministros adotaram esses limites para uma série de unidades populacionais. No entanto, para outras unidades populacionais excederam o recomendado pelo CIEM.

A definição de limites de capturas pela UE é realizada à porta fechada, impedindo o público de conhecer o contexto do acordo. Além disso, é difícil avaliar o grau de sustentabilidade dos limites, porque desta vez os ministros incluíram quotas adicionais (ou “top-ups”) para algumas unidades populacionais, aumentando efetivamente os limites, de modo a refletir o impacto da proibição de devoluções para as unidades populacionais de peixes demersais. Os aumentos destinam-se a compensar o desembarque do peixe em vez da sua devolução ao mar, mas os cálculos são complexos e os detalhes ainda não foram publicados. Só os pormenores do acordo podem revelar até que ponto os ministros alcançaram progressos na redução da sobrepesca e na implementação da Política Comum das Pescas (PCP) reformada.

Ao abrigo da PCP, ficou estabelecido que, a partir de 2015, os limites de capturas teriam de ser, sempre que possível, definidos para níveis sustentáveis. Até 2020, apenas podem ser aceites exceções no caso de a definição de limites poder causar graves prejuízos sociais ou económicos a longo prazo. Mas mesmo nesses casos, deve-se acabar de forma progressiva e incremental com a sobrepesca.

O facto de os ministros definirem limites que excedem o recomendado cientificamente para alguns casos torna mais difícil a implementação da PCP nos próximos anos, pelo que é importante justificarem publicamente as suas decisões.

As futuras propostas de planos plurianuais ajudarão a perspetivar estas questões a longo prazo. Teremos todo o prazer em colaborar com a Comissão, o Conselho e o Parlamento Europeu no desenvolvimento e na adoção destes planos em 2016, a fim de garantir a implementação efetiva da PCP reformada e de acabar com a sobrepesca na UE.

Andrew Clayton lidera os esforços da Pew para acabar com a sobrepesca no noroeste europeu.


The front facade of the Supreme Court of the United States in Washington, DC.
ian-hutchinson-U8WfiRpsQ7Y-unsplash.jpg_master

Agenda for America

A collection of resources to help federal, state, and local decision-makers set an achievable agenda for all Americans

Quick View

Data-driven policymaking is not just a tool for finding new solutions for emerging challenges, it makes government more effective and better able to serve the public interest.

Lightbulbs
Lightbulbs

States of Innovation

Data-driven state policy innovations across America

Quick View

Data-driven policymaking is not just a tool for finding new solutions for difficult challenges. When states serve their traditional role as laboratories of innovation, they increase the American people’s confidence that the government they choose—no matter the size—can be effective, responsive, and in the public interest.