Dois passos para evitar a sobrepesca das espécies de águas profundas na UE

Para proteger estas águas e a sua misteriosa vida marinha, os ministros devem seguir a lei e o conselho científico

Navigate to:

Dois passos para evitar a sobrepesca das espécies de águas profundas na UE
O peixe-espada preto é uma das espécies vulneráveis de profundidade da UE. Foto de Alamy.

O mar profundo é um mundo misterioso, escuro e sujeito a condições extremas. Lá, a vida encontra-se especialmente adaptada a esse ambiente, mas também notavelmente suscetível a atividades humanas, como a pesca.

Peixes do fundo do mar tendem a ser de crescimento lento, maturação tardia e vida longa. Devido a estes fatores, as unidades populacionais podem colapsar rapidamente e a sua recuperação é lenta. A sua natureza sensível e vulnerável faz com que o fim da sua sobre-exploração seja de vital importância.

Nos dias 19 e 20 de novembro, os ministros das pescas da União Europeia têm uma última oportunidade antes do fim do prazo de 2020 para estabelecer limites sustentáveis de captura em águas da UE e salvaguardar essas unidades populacionais no futuro. Esta decisão sobre os limites de captura de 2019 para as partes mais profundas dos mares europeus marca a última oportunidade para cumprir o calendário estabelecido pela reforma na Política Comum das Pescas (PCP) , que entrou em vigor no início de 2014.

Entre as espécies intensamente pescadas em águas profundas que os ministros irão considerar estão a abrótea, o peixe-espada preto, a lagartixa-da-rocha e o olho-de-vidro laranja.

Manter as pescarias de profundidade sustentáveis requer alguns passos básicos. Os ministros devem essencialmente:

Seguir a lei

Apesar do requisito da PCP de acabar com a sobrepesca até 2015, o mais tardar possível até 2020, os ministros continuaram a definir a maioria dos limites de captura de espécies de profundidade acima dos pareceres científicos, o que efetivamente adia e prejudica a realização desse objetivo.

Para estas unidades populacionais, o mês de novembro traz a última oportunidade antes de 2020 para o Conselho das Pescas da UE manter a sua palavra - e obedecer à PCP adotada em 2013. 

"[A] taxa máxima de exploração sustentável do rendimento deve ser atingida até 2015, sempre que possível e, numa base incremental progressiva, até 2020, para todas as unidades populacionais."

Artigo 2.º do Regulamento (UE) n.º 1380/2013 do Parlamento Europeu. e do Conselho.

Seguir a ciência

É importante notar que os decisores da UE têm o aconselhamento científico do Conselho Internacional para a Exploração do Mar (CIEM) para os orientar. Os dados do CIEM podem ajudar os ministros a estabelecer capturas anuais máximas que sejam sustentáveis e preventivas, o que ajudará a garantir que as unidades populacionais recuperem ou sejam mantidas em níveis sustentáveis e atingir o objetivo da PCP de acabar com a sobrepesca.

Veja o conselho mais atual do CIEM.

Tomar estas duas medidas ajudará a garantir um futuro para as espécies de profundidade nas águas da UE. Os ministros têm a informação de que precisam para agir. Agora devem atender aos requisitos estabelecidos para eles próprios na PCP.

Próximo: As decisões no fundo do mar são apenas o começo

Mais uma reunião crucial do Conselho de Pesca terá lugar em 2018.

OUR WORK

America’s Overdose Crisis
America’s Overdose Crisis

America’s Overdose Crisis

Sign up for our five-email course explaining the overdose crisis in America, the state of treatment access, and ways to improve care

Sign up
Quick View

America’s Overdose Crisis

Sign up for our five-email course explaining the overdose crisis in America, the state of treatment access, and ways to improve care

Sign up