Como Acabar com o Impasse da UE sobre o Plano de Pesca Plurianual no Mar Báltico

No início de junho referimos que as negociações relativas a um plano plurianual (PPA) para determinadas unidades populacionais no Mar Báltico entraram na sua fase final. Quase dois meses depois, ainda não se verifica qualquer acordo. Porquê? Os negociadores chegaram a um impasse, causado por uma aparente falta de motivação por parte de alguns, no sentido de se proceder à total implementação da reforma da Política Comum das Pescas (PCP) da União Europeia.

Estes planos plurianuais para as pescas da UE destinam-se a minimizar tomadas de decisão baseadas em interesses de curto prazo e a maximizar a probabilidade de uma pesca sustentável. Em 2013, a UE acordou uma ambiciosa reforma da PCP. Atualmente, a legislação inclui um compromisso vinculativo para acabar com a sobrepesca - um simples requisito político que deve resultar num ambiente marinho mais saudável, em pescas mais rentáveis e em comunidades costeiras viáveis.

Em termos históricos, o Conselho das Pescas da UE, constituído pelos ministros das pescas de cada um dos estados membros da UE, tem legislado a sobrepesca há décadas. Em conformidade com o Tratado de Lisboa de 2009, o Conselho das Pescas não é o único organismo decisor para a redação de planos plurianuais, partilhando atualmente esta responsabilidade com o Parlamento Europeu diretamente eleito.

No seguimento da reforma da PCP, um grupo de trabalho composto por representantes do Conselho, do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia, produziu um acordo político não vinculativo que apelava para que os limites de pesca existentes nos planos plurianuais fossem expressos como taxas. Assim, quando a Comissão estava a redigir a proposta de um PPA para o Báltico, a mesma solicitou ao Conselho Internacional de Exploração do Mar (CIEM) taxas “em torno” de limites de pesca sustentáveis, conhecidas como FMSY. Este pedido implicou que a Comissão estivesse disposta a considerar limites acima dos claramente especificados na PCP e que poderiam resultar na continuidade da sobrepesca.

O Conselho congratulou-se com esta proposta da Comissão, conferindo aos ministros uma efetiva margem de manobra para continuarem a legislar em matéria de sobrepesca. No entanto, o Parlamento, liderado pelo eurodeputado polaco Jarosław Wałęsa, não está disposto a concordar com um plano que ameaça a principal ambição da PCP. Wałęsa está a fazer uma grande pressão para taxas que não excedam limites de pesca sustentáveis. Esta posição garantiu uma grande maioria no Parlamento, conferindo-lhe uma forte posição negocial nas negociações tripartidas.

As posições conflituantes resultaram num impasse. O Parlamento tem um forte mandato para defender a ambição da PCP, enquanto o Conselho exige uma “flexibilidade” que pode permitir a continuidade da sobrepesca.

O fracasso do Conselho em acordar um plano plurianual para o Mar Báltico que vá de encontro aos objetivos da PCP pode ameaçar a implementação da própria política. “Devemos garantir que o FMSY é o limite’’, afirmou Wałęsa a 25 de junho após o fracasso das negociações. É isto que está consagrado na PCP e que tem sido celebrado por centenas de milhares de cidadãos europeus. Os ministros das pescas devem reconhecer esta situação e atuar neste sentido.

Andrew Clayton orienta os esforços da Pew para acabar com a sobrepesca no noroeste da Europa.

National Homeownership Month

Article

37 Researchers Working to Transform Biomedical Science

Quick View
Article

Biomedical researchers are on the front lines of scientific innovation. From responding to global pandemics to pioneering lifesaving cancer treatments, these researchers push past scientific boundaries to solve pressing health challenges. For nearly 40 years, The Pew Charitable Trusts has supported more than 1,000 early-career biomedical scientists committed to this discovery.